Epicondilite Lateral do Cotovelo: o que é, sintomas e como tratar?

A epicondilite lateral do cotovelo, também conhecida como cotovelo de tenista, se caracteriza por uma dor no canto lateral do cotovelo, que se irradia para o antebraço.

Representa 80% dos problemas musculoesqueléticos que afeta o cotovelo, sendo uma patologia que atinge principalmente adultos de 35 a 60 anos. 

Pode surgir em decorrência do esforço físico intenso ou movimentos repetitivos, sendo importante consultar um ortopedista especialista em ombro para identificar a causa e propor o melhor tratamento.

Se você está sentindo dores na altura do cotovelo, confira aqui se pode ser uma epicondilite lateral do cotovelo, onde vamos mostrar os principais sintomas e tratamentos.

O que é epicondilite lateral do cotovelo?

Basicamente, a epicondilite lateral do cotovelo é uma inflamação dos tendões na parte externa do cotovelo, que conectam os músculos do antebraço, responsáveis pelos movimentos de extensão do punho e dedos.

Embora chamada também de cotovelo de tenista, não se limita aos jogadores de tênis, podendo afetar quem exerce determinadas atividades ou pratica esportes que exigem movimentos repetitivos.

Tais movimentos geram microlesões no tendão comum extensor, provocando uma inflamação no local, com o objetivo do corpo cicatrizar essas lesões.

Contudo, na epicondilite lateral, essa cicatrização não ocorre adequadamente, causando uma degeneração das fibras de colágeno do tendão e fibrose.

Com o tempo, a qualidade do tendão fica comprometida.

Quais são os sintomas de epicondilite lateral do cotovelo?

O principal sintoma da epicondilite lateral do cotovelo é a dor, a qual pode ser moderada ou intensa, aparecendo repentina ou progressivamente.

A epicondilite se torna mais e mais sensível ao tocar, e em seguida, a dor se estende à face externa do cotovelo e irradia até o antebraço.

Alguns movimentos se tornam pouco a pouco dolorosos: carregar uma sacola, fechar a mão, abrir uma porta, abrir a tampa de uma garrafa…Por outro lado, a mobilidade articular do cotovelo não é afetada.

Em alguns casos, a dor pode ser mais intensa à noite e ao despertar.

Quais as causas de cotovelo de tenista?

No caso do cotovelo de tenista, a atividade profissional é a causa mais frequente, devido às práticas esportivas.

À medida que um movimento é repetido, como digitar, pintar, desenhar, o tendão ligado aos músculos é demasiadamente solicitado, o que pode levar à epicondilite.

O excesso de tensão exercido sobre os tendões não é a única causa, onde uma falta de vascularização dos tendões ou um processo de degeneração podem também contribuir.

A epicondilite lateral do cotovelo é também chamada de cotovelo de tenista, uma vez que esportes com raquete (tênis, squash e badminton), mas também o golf e baseball podem provocar a epicondilite.

Vale lembrar que o tabagismo, doenças como diabetes ou uma irrigação inadequada podem favorecer a fragilização dos tendões.

Como diagnosticar epicondilite lateral do cotovelo?

No exame clínico, o ortopedista especialista em ombro vai verificar se há inflamação no local (o que se traduz por vermelhidão ou inchaço) e se é sensível à palpação.

Além disso, o paciente deve executar alguns movimentos, como flexão e extensão dos dedos ou ainda a rotação do braço, e observar a presença de dor.

Raramente, exames complementares são solicitados, apenas se o médico suspeitar de uma ruptura do tendão ou se a dor persistir mesmo com o tratamento.

Entre esses exames, o médico pode pedir raio-X, ultrassom ou ressonância mangnética, e assim, descartar qualquer outro problema.

Quais os tratamentos para epicondilite lateral do cotovelo?

Geralmente, a epicondilite lateral do cotovelo se cura sozinha, mas é necessário ter paciência, porque a evolução pode ser longa.

Além de analgésicos e anti-inflamatórios, recomenda-se o repouso, pois interromper as atividades que causam dor é o tratamento mais eficaz.

A fisioterapia pode ser indicada para permitir um restabelecimento mais rápido, assim como aplicação de gelo.

No entanto, se os sintomas persistirem após 12 meses de tratamento, o médico ortopedista pode considerar uma cirurgia, a qual consiste na remoção do músculo lesionado.
Portanto, se você está sentindo dores na face externa do cotovelo, vale a pena marcar uma consulta com ortopedista especialista em ombro, pois quanto antes iniciar o tratamento, melhor!